Redial

  • Na ponta do pé, Joana tentava alcançar o orelhão e desequilibrando enfiou uma ficha telefônica dentro dele. Logo em seguida, correu os olhos sob um tele-listas residencial e observou as opções de nomes masculinos. Por fim, escolheu o que julgava ser o mais agradável de pronunciar. “Mar-ce-lo”, falava pausadamente, como que se contasse um segredo. Segundos depois, atropelou-se na própria ansiedade e apertou os botões rapidamente.
    O telefone tocou na casa de Marcelo, que preparava bolinhos de chuva naquela quinta-feira nublada e atendeu com a mão empanada de farinha de trigo, açúcar e ovo. “Alô!!”  – disse uma voz firme e triste. Joana, do outro lado da linha, sem entender o por que, sentiu o corpo formigando e suspirou. “Gostar talvez seja isso”, deduziu ao desligar.

    Anúncios
  • Deixe um comentário

    Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

    Logotipo do WordPress.com

    Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

    Imagem do Twitter

    Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

    Foto do Facebook

    Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

    Foto do Google+

    Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

    Conectando a %s