Os estrangeiros

Estrangeiros de si
numa pátria de não-reconhecimento.
A miséria, o único legado deixado.
A distância entre corpos
desconhecidos: verso e anverso da tela.

Século dos seres alheios
a si mesmos, trancafiados em cubículos
tecnológicos, no entre-meio
das definições e sentimentos patentiados,

O que era essa figura disforme lutando com eles?.
O que pretendia dizê-los?.
Como traduzir a sua linguagem?.
Estrangeiros de si
numa pátria de não-reconhecimento.
A miséria: o único legado deixado.

Corpos fedendo a estupidez
individualidade e agonia.
Os corações, olhos, bocas e ouvidos
preenchidos com sopro de vida barato e descartável.

Século dos seres alheios a si mesmos.
Eram tempos estranhos.
O outro eu,
peça avulsa do quebra-cabeça.
Contra si
contra todos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s