Intrépidos viajantes

Como kesey dizia: cinema das pálpebras
A loucura morando dentro do olho e

devorando-o.
Imagens vívidas, viagens ao outro lado do mundo.

Talvez ela existisse e isso enchi-a de felicidade – dava para ouvir a saraivada de risos saborosos
das pessoas de todos os tipos vindo contar
como elas conseguem viver e se manterem sanas por aqui.

É comovente o mistério da existência,
só que as costas precisam ser fortes
pra aguentar o peso do mundo,
o peso de tudo,
e não acabar parado de bengala no meio da estrada.