Tantas vezes comedida.
Tantas vezes apatia.
Tantas vezes nas partidas um naco do coração enrolado num pedaço de jornal para constatar que um dia ele existiu.

Tantas vezes o céu explodindo em cores num quadro pintado por mãos bêbadas
e a loucura expiando pecados num tribunal estéril.

É poesia mal comida.
Comida mal lida.

É a iminente rasteira
e os olhos estrangulados beijando o chão
como num pacto de paz com o irreversível.

Tantas vezes vírus vivendo meia vida,
parasita de paraísos artificiais.

Tantas vezes o inconcluso
dia após dia
num jogo pueril de ser ou não ser.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s