O lamento de uma bicicleta

 

Aquela bicicleta tinha um olhar triste.

Ela refletia sobre o corpo em chamas
que estava sob si,
que cortava o vento
em questão de segundos,
que sorria sem razão.

Aquela bicicleta tinha um olhar lânguido.

Sem autonomia ela tolerava a liberdade
de quem nela subiu.
Sem protestar ela seguia em frente
enquanto quem a guiava sentia a alma se dissolver.

Uma fuga.
Um desencontro.
Uma partida.

Aquela bicicleta era uma droga e ela própria sabia disto.

O corpo era maior e ela era menor,
só que a circunstância
ligava o corpo a ela e ela ao corpo.

E como numa fatalidade das coisas incompreendidas houve a despedida.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s